Big K.R.I.T. – King Of The South

BIGKRIT_KOTS

K.R.I.T. desafia rappers do Sul com o título de sua nova faixa. Ele se autoproclama o rei do sul no som produzido por ele mesmo, que sairá no projeto Cadillactica.

Publicado em Rap Game | Deixe um comentário

Hieroglyphics – Heebie Jeebies

hiero-heebie

Todos os membros do Hieroglyphics se reuniram após um tempo de hiatus para soltar dois sons. O primeiro deles é Heebie Jeebies, que você pode conferir abaixo. Ficamos na espera do próximo som.

Publicado em Rap Game | Deixe um comentário

JAY-Z e a Narrativa Metafórica ‘99 Problems’

“Você tem de ver por si mesmo. Está é a sua última chance. Depois não há como voltar. Se tomar a pílula azul… a história acaba, e você acordará na sua cama acreditando no que quiser acreditar. Se tomar a pílula vermelha… ficará no País das Maravilhas e eu te mostrarei até onde vai à toca do coelho. Lembre-se… tudo que ofereço é a verdade. Nada mais.”

Assim como Morpheus apresentou dois caminhos para que Neo escolhesse qual deles trilhar, o RAPLOGIA também oferece a mesma coisa para você, leitor. Caso escolha a pílula azul, é melhor desistir de ler a matéria, mas se escolher a pílula vermelha vá em frente e embarque no universo metafórico de ‘99 Problems’.

matrix

 “Se você tem problemas com garotas, eu lamento por você,filho/ Eu tenho 99 problemas, mas uma vadia não é um”.

Jay-Z_cover_span7

‘99 Problems’ inicia logo com o refrão e consequentemente o ouvinte acha que Jay-Z está falando sobre problemas com namoradas e como ele trata isso de forma despreocupada, porém é a partir das estrofes que seguirão que os termos ‘girl’ e ‘bitch’ ganharão outros sentidos, funcionando como metáforas para significados totalmente diferentes do que o ouvinte imaginou quando ouviu o refrão abrindo a música .

Em sua primeira estrofe, Jay-Z aborda o fato de que os críticos de rap dizem que suas músicas são apenas sobre dinheiro e putas, mas ele exalta que veio da periferia, venceu na vida, e se ele faz algumas canções sobre essa temática é porque ele quer celebrar o momento, falar de suas conquistas, além disso, Jay faz com que os críticos se coloquem em seu lugar, dizendo que se eles tivessem crescido como ele com os calçados furados e mais tarde ascendessem economicamente, iriam comemorar cada minuto de suas vidas.  Ainda nessa mesma estrofe, o rapper fala sobre as rádios que não tocam suas músicas, mas em seguida ele deixa bem claro que não se importa com isso, por fim, o MC critica as revistas de rap que tentam usar seu nome para que os anunciantes paguem mais pelos anúncios.

Após a primeira estrofe e o retorno do refrão, entendemos o modo como o eu-lírico encara seus problemas, ou seja, ele não costuma olhá-los de baixo pra cima, mas sim, de cima pra baixo. O rapper definitivamente não trata o incômodo que aparece pela frente como se fosse uma ‘girl’ (no caso da primeira estrofe, os críticos de rap que falam que ele rima somente sobre dinheiro e putas, as rádios que não tocam suas músicas e as revistas de rap que exploram sua imagem), Jay-Z prefere tratar cada um desses problemas como se fossem uma ‘bitch’.

Vale destacar também que o refrão funciona como uma espécie de ironia direcionada aos críticos musicais, sendo que o conteúdo do refrão isolado é justamente o estereótipo no qual os críticos pintaram o rapper, porém de forma genial o MC faz o refrão ganhar sentidos diversos e extremamente profundos a partir de suas estrofes.

Na segunda estrofe, a música ganha um ar de storytelling, sendo que o eu-lírico conta sobre estar dirigindo com drogas no porta-malas, quando de repente surge uma viatura policial solicitando para que ele encoste o carro, por um momento ele pensa em pisar no acelerador e fugir, mas como ele está com dinheiro decide encarar o caso. “Filho, sabe por que estou parando você?”, indaga o policial. “Porque sou um jovem negro e meu boné está abaixado? Pareço um leitor de mentes, senhor? Eu não sei, devo ir preso ou adivinhar um pouco mais?”, responde o jovem. Notamos que há na resposta um misto de ironia e raiva, já que o eu-lírico parece certo de que foi parado principalmente pela sua cor de pele. O preconceito racial se torna evidente quando o policial responde de forma cínica e irônica: “Você estava indo a 55 km/h numa pista de 54 km/h”. O racismo aumenta ainda mais quando o policial conclui: “Licença, registro do carro e depois saia dele. Está carregando uma arma? Sei que muitos de vocês estão”. É então que o jovem contra-argumenta: “Não vou a lugar nenhum, todos os meus documentos são legítimos”. O policial parece não escutar e pergunta: “Se importa se eu der uma geral no carro?” Imediatamente o jovem responde de modo incisivo: “Meu porta-luvas está trancado e o porta-malas também, conheço meus direitos, você precisa de um mandato para isso”. A tensão cresce e o policial chega a indagar se o jovem é advogado, alguém importante ou algo do tipo. O jovem responde apenas que sabe o suficiente para que ele não mexa nas suas coisas ilegalmente. Diante da resposta, o policial fala que o jovem verá o quão ele é esperto quando o K-9 (cão utilizado nas ações policiais para farejar drogas) chegar. A estrofe sofre um corte e se tem novamente o refrão, vale ressaltar que esse storytelling foi baseado num acontecimento real da vida de Jay-Z, especificamente em seu tempo como traficante, sendo que a viatura com a unidade K-9 não chegou para investigar o carro, e consequentemente ele foi liberado. Portanto, nesse caso o termo ‘bitch’ funciona como uma metáfora ao K-9 (cão farejador de drogas) que não se transformou em um problema para Jay-Z.

Na terceira estrofe, a ‘bitch’ em questão é um sujeito que estava incomodando Jay-Z, fazendo coisas para aparecer, tanto que Jay utiliza a metáfora do motor de moto para que o ouvinte imaginasse em sua mente o quanto o sujeito se esforçava para incomodar, porém para o eu-lírico o cara não passa de alguém que mais fala do que age, tanto que Jay lhe dá um corretivo e consequentemente acaba sendo preso, mas ele paga a fiança e é liberado. Logo após o término da terceira estrofe, surge novamente o refrão para fechar de vez um dos grandes clássicos do universo Hip-Hop.

Publicado em Análise | Deixe um comentário

Nas – The Season (Prod. by J Dilla)

nas-dilla-season

Um dos meus maiores sonhos foi ouvir o Nas rimando em uma batida do Dilla. E esse sonho se realizou hoje. Após dar uma prévia da faixa em um show com o Run The Jewels, Nasir lançou o som The Season, que usa a batida de Gobstopper do grande J Dilla.

Para baixar o som, clique aqui.

Publicado em Rap Game | Deixe um comentário

Salva – Magic (feat. Freddie Gibbs & Psyde)

salva-pm

O produtor de Los Angeles, Salva, está para lançar uma mixtape cheia de grandes participações. A$AP Ferg, Gibbs, Young Thug, ScHoolBoy Q, E-40, Kurupt, entre outros artistas estão no projeto Peacemaker. Você pode ter uma prévia do projeto ouvindo a faixa Magic.

Ou se preferir, ouça a mixtape inteira.

Publicado em Rap Game | Deixe um comentário

Vídeo: CJ Fly – Day zZz’s

CJ Fly ganhou a atenção de muitos com a sua mixtape, Thee Way Eye See It. Hoje o rapper lançou mais um vídeo do projeto que saiu no ano passado. É o vídeo da música Day zZz’s. Direção de Monster Movies, produção de Statik Selektah.

Publicado em Rap Game, Vídeos | 1 comentário

Criolo – Convoque Seu Buda

Criolo lançou hoje a faixa-título do seu mais novo projeto, Convoque Seu Buda. A produção da faixa é de Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral. O lyric video ficou por conta de Ricardo Fernandes e Mauricio Fahd.

Para fazer o download da faixa, clique aqui.

Publicado em Rap Game | Deixe um comentário